Iansã

iansaIansã

Iansã é o nome dado por Xangô a Oyá, fazendo referências ao entardecer. “Tradução é mãe do céu rosado ou mãe do entardecer, por isso que Xangô a chamava desta forma”. Oyá, radiante, linda como o entardecer e como céu rosado. É a deusa da espada de fogo, dona das paixões, rainha dos raios, ciclones e outras tempestades intempestivas.

Dona dos eguns, guia dos espíritos, orixá do fogo. Como orientadora dos mortos, carrega consigo o eruexin, feito com rabo de boi cavalo, para impor respeito perante aos eguns. Junto usa também uma espada em chamas que lhe faz a guerreira do fogo.

Convivemos diuturnamente com esse orixá, força latente da natureza. Fenômeno natural da vida é a energia viva, pulsante e vibrante que move o mundo. Orixá  da provocação dos ciúmes, mas também a geradora das grandes paixões e dos grandes desejos, incluindo os sexuais.

A Iansã é irrequieta; autoritária; sensual; disputa pelo ser amado; temperamento muito forte; dominadora e impetuosa; dona dos movimentos que aprendeu dos orixás; dona do teto e do Ilê. Está presente em todos os campos de batalhas para resolver as grades lutas, principalmente nos caminhos cheios de riscos e não é muito chegada aos afazeres domésticos.

Como guardiã de um dos mistérios de Olorum, ela anula as injustiças e dilui os acúmulos emocionais. Tem como atributos atrair os espíritos negativos, recolhendo para os seus domínios até que se esgotem os seus negativismos, para só devolve-los neutros e calmos, para onde serão novamente redirecionados para a luz ou reencarnação.

Mitologia

Mesmo ela tendo sido a esposa de Xangô, percorreu vários reinos convivendo com vários orixás, somente não conseguiu o seu intento com Xapanã “Obaluaê”, pois ele nunca se relaciona com ninguém. Dessa forma fez uso de sua inteligência astucia e sedução para aprender e conhecer todos. Com Xapanã aprendeu a tratar dos mortos, conviver com eguns e controlar os mesmos. Iansã com Xangô dono do trovão, aprendeu a viver com fartura, também o manuseio do raio e amar verdadeiramente.

iansa1 Orixá dos ventos raios e trovões

Oiá Timboá adjuntós com Bará Legba ou Ogum Avagã;

Dirã adjuntós com Ogum Avagã;

Iansã adjuntós com Bará Adagui, Bará Lanã ou Bará Agelú ou Ogum Onira ou Xangô Aganjú ou Xapanã Jabetei.

Iansã adjuntós com Bará Lodê ou Ogum Olobedê ou Xangô. Agodô ou Xapanã Belujá ou Xapanã Sapata.

Animais: quatro pés – cabrita branca ou branca e cinza.

Aves, meio quatro pés angolista fêmea, e galinhas carijós

Numero: oito (08) ou múltiplos para Oiá e Iansã e Sete (07) ou múltiplos quando a Iansã comer junto com a Obá.

Cor: Vermelha.

Dia: Terça-feira

Guias: Contas, vermelha ou marrom claro, algumas nações vermelho e branco.

Saudação:             Epaiêio.

Oferendas, pipoca, opté de batata doce redondo com dendê, para a Dirã no opté vai pó de Urucum “colorau” e broto de pitangueira.

 oferenda iansa

Oferenda para Iansã

 

Ferramentas, espada, alianças, taças, raio, búzios e moedas

Ervas; pitangueira, espada de Santa Bárbara, bambu, cana do brejo, anil, violeta, losna, alfazema, quiabo e rosa vermelha, etc.

Frutas; manga, maçã, pitanga, pêra, morango, ameixa, romã, banana e figo.

 

templo   

Templo de Xango e Iansã em Oyó na Nigeria (vista do templo e roncó.)

templo2

Local onde fica o ocuta de Iansã junto, templo de Xangô na Nigéria continente Africano.